Procon Paulistano mostra que 6 em cada 10 processos contra as empresas que prestam serviço de internet em São Paulo são por baixa qualidade de conexão

Cobrança indevida e conexão ruim são maiores reclamações da internet



Uma pesquisa feita pelo Procon Paulistano mostra que 6 em cada 10 processos contra as empresas que prestam serviço de internet em São Paulo são por baixa qualidade de conexão ou velocidade e realização de cobranças indevidas. Essa é o a primeira pesquisa a ser realizada pelo órgão municipal que deve começar a funcionar nesta quarta-feira (13).

O consumidor terá acesso ao órgão apenas na forma digital e o serviço será voltado exclusivamente aos moradores da capital paulista. As denúncias feitas pela internet serão avaliadas pelos procuradores do município.
“Queremos fazer um trabalho que ajude o mercado consumidor de São Paulo, especialmente, dando ênfase ao consumidor paulistano. Que ele seja mais bem tratado, mais informado e que seus direitos sejam mais respeitados”, afirmou o diretor do Procon Paulistano, Ricardo Ferrari Nogueira.
Em fevereiro, quando anunciou o Procon Paulistano, o prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou  queo objetivo é preencher uma lacuna na defesa do consumidor na capital atualmente.
"A cidade injustificadamente não tinha um Procon. É a maior cidade do país. São 800 cidades com Procons municipais e 11 capitais sem, uma delas São Paulo", disse na ocasião. O tema é a bandeira de atuação de Celso Russomanno (PRB), que aparece como líder na corrida pela Prefeitura em recente pesquisa Ibope.
Pesquisa
O levantamento, feito no primeiro semestre deste ano, levou em conta 65 acórdãos que terminaram com resultados favoráveis ou parcialmente favoráveis ao consumidor no Tribunal de Justiça de São Paulo.
A maioria das ações, o que corresponde a 95% do total, foram dirigidas às quatro grandes empresas do ramo: Vivo, Claro, Tim e Oi. "A pesquisa retrata, essencialmente, a extrema concentração do mercado responsável pela prestação de serviço de internet", informou o levantamento feito pela Divisão de Estudos, Pesquisas e Educação ao Consumidor do Procon Paulistano.
Para a análise, foram consideradas as decisões de primeira e segunda instâncias tomadas entre janeiro e junho deste ano, após julgamento dos recursos. Em 43% dos acórdãos (28 acórdãos), as empresas cobraram valores indevidos. Em 15 acórdãos, ou 23% do total, as empresas foram condenadas por problemas técnicos no acesso à internet, principalmente, queda de conexão e velocidade abaixo da contratada.  E 9 acórdãos, ou 14% do total, tiveram o serviço interrompido indevidamente.
Nos demais acórdãos, as empresas foram obrigadas a ressarcir de alguma maneira os clientes que apresentaram problemas na instalação do serviço contratado, com venda casada ou problemas relacionados ao cancelamento do serviço.

0 comentários:

Postar um comentário